Atualmente estamos operando somente nas nossas redes sociais oficias

Com fim de ano difícil, Cavalieri luta contra ‘maldição das Confederações’

O fim de ano complicado do Fluminense pode ser decisivo no que diz respeito à convocação de Diego Cavalieri para a Copa do Mundo de 2014. Com o Tricolor em má fase no Campeonato Brasileiro e brigando contra o rebaixamento, o goleiro - titular no último amistoso, contra a Zâmbia, em Pequim - vê um concorrente direto por uma vaga ganhar força: Victor, do Atlético-MG. O goleiro do Galo foi convocado para os amistosos contra Honduras e Chile, e ainda vai disputar o Mundial de Clubes em dezembro, no Marrocos. Mais do que isso, Cavalieri luta ainda para acabar com uma maldição.

Para os mais supersticiosos, o jogador do Flu, presente no grupo campeão da Copa das Confederações deste ano, tem mais um obstáculo pela frente: o retrospecto dos goleiros reservas na Seleção. Quase nunca os arqueiros suplentes nas Confederações são lembrados para a disputa do Mundial do ano seguinte. Desde a primeira participação do Brasil na competição, em 1997, apenas um foi chamado para o torneio de seleções mais importante do mundo. Gomes ganhou a confiança de Dunga e esteve presente nas competições realizadas na África do Sul, em 2009 e 2010.

- Sempre deixei claro que a briga pela vaga é muito intensa. São excelentes goleiros na disputa. Só falta uma convocação em março antes da lista final e tenho que estar focado no meu clube para continuar sonhando. Meu foco agora é no Fluminense. Quero atuar bem e ajudar. O resto será consequência do meu trabalho. Temos mais seis jogos no Brasileirão e espero ajudar o time a permanecer na Série A - disse Cavalieri.

Segundo o camisa 12 do Fluminense, nem mesmo um possível rebaixamento da equipe o preocupa na briga por um lugar na Copa do Mundo.
- Não estou preocupado com isso. Faltam oito meses para a Copa. É muito tempo. Tenho que fazer meu trabalho bem para tirar o Fluminense dessa situação. Minha cabeça não está voltada para a Seleção agora. Vou deixar as coisas fluírem naturalmente.
Rogério Ceni perdeu a vaga em 1998, e Carlos Germano e Fábio Costa ficaram de fora em 2002 – única ocasião com dois treinadores diferentes nas competições: Leão, e depois Felipão. Em 2006, Marcos e o próprio Gomes não foram chamados por Parreira, enquanto Victor foi deixado de lado para dar lugar a Doni em 2010. Titular em três participações do Brasil na Copa das Confederações, Dida foi quem se deu melhor, participando dos três mundiais subsequentes, mesmo que na reserva de Taffarel, em 1998, e Marcos, em 2002.
O botafoguense Jefferson é quem pode amenizar o retrospecto ruim. Com chances muito grandes de ser o reserva imediato de Júlio César no ano que vem, o camisa 1 alvinegro também fez parte do grupo vencedor em 2013 e pode ser o segundo nome na lista a obter êxito nas duas listas consecutivas, juntando-se a Gomes.

Fonte: Globo Esporte

About Me

Tecnologia do Blogger.

Blog Archive

Comments

Destaques

Facebook

Destaques

Find Us On Facebook

Random Posts

Advertise

Futebol

Nosso Instagram

Social Share

Random Posts

Destaques

Sponsor

Recent comments

Destaques
Destaques

Labels

Labels

Advertise

Destaques

Recent Comments

Destaques

Popular Posts

Recent Comments

Pages

Pages

Popular Posts

Most Popular

Curta nossa Fan page

Destaques