Assédio, sofrimento e luta contra balança: o início de Walter pelo Flu

A primeira refeição foi, talvez, a cena que melhor resumiu como será o dia a dia de Walter no Fluminense. Acompanhado de Fred e Rafael Sobis, parceiros de posição, o atacante deixou de lado a timidez e solidão de novato para jantar apenas uma salada, o complemento alimentar a uma rotina de exercícios pesados iniciada na tarde quinta-feira, dia da apresentação oficial, o que encerrou a novela de negociação com o Porto. Esta luta contra a balança, a julgar pelo começo da passagem de no mínimo dois anos, o tempo de contrato, será acompanha por outros dois fatores: sofrimento amenizado pelo assédio do torcedor. 

O jantar seguiu à risca as determinações da nutricionista Renata Faro. Alimentos gordurosos e farináceos, por exemplo, estão vetados. Foi o fim das férias, um período natural de relaxamento, como o presenciado pela reportagem do GloboEsporte.com na tarde de quarta, quando o atleta lanchou um salgado com suco de laranja, acompanhado pela família, na praia de Copacabana. É preciso correr contra o tempo, afinal, são 39 dias totalmente parado - contando desde a derrota do Goiás para o Santos, em 8 de dezembro de 2013, até esta quinta, com uma participação na pelada do Zico, no último dia 28, no Maracanã. 

O curioso é que foi lá, antes mesmo de assinar contrato, que Walter foi informado por Renato Gaúcho, à época apenas como futuro treinador, da necessidade de se enquadrar à preparação física do Flu. Em dois anos de Goiás, o peso mínimo foi de 93kg, o que deve baixar nas Laranjeiras. Embora, aparentemente, o jogador esteja acima desta marca. 

O trabalho, então, começou logo ao chegar a Mangaratiba, palco da preparação tricolor, e que termina no sábado, dia da estreia no Carioca diante do Madureira. Por pouco mais de uma hora, o atacante fez esteira. E exercícios de musculação sob orientação do preparador físico Flávio Vignolli e do fisioterapeuta Nilton Petrone, o Filé. Um sofrimento, nas palavras do próprio Walter: 
- Eu sofri (risos). Mas é importante para mim e para o Fluminense. Farei de tudo para ter melhor forma do que tive no Goiás. 


A frase, durante a apresentação oficial, foi dita com naturalidade. O assunto não é tabu. Ele trata disso sem problemas. Só faz a ressalva de que nunca será magro. 
- Não posso perder força - pondera. 
A naturalidade não o impede de ter precaução. Exemplo: vestiu a camisa tricolor por cima da de treino. Mesmo assim foi possível perceber que o jogador está acima do peso, o que impede o estabelecimento de uma data de estreia. É provável que ele necessite de um período superior aos dez dias de pré-temporada feito pelos demais colegas.

A situação não abala o começo de uma relação entre candidato a ídolo e fãs. Ao chegar ao hotel e no treino, Walter despertou a atenção de tricolores. Pedidos de fotos e autógrafos foram a tônica. Ele atendeu sempre que possível. Com certo deslumbramento em relação aos tempos de Goiás. Riu e vibrou com a nova fase. 
- O Fluminense é time grande, com todo o respeito ao Goiás. Aqui tem de ser campeão de tudo, lá era só do estadual e fazer um bom Brasileirão. Estou muito feliz - comparou o atleta.
A fome dele o fará, contraditoriamente, perder peso e ter condições de jogar. É o que todos, no Flu, esperam.

Fonte: Globo Esporte