Autor do gol tricolor na estreia, atacante Ruan destaca aprendizado no Catar


A vitória não veio no jogo de estreia, mas sem dúvida o aprendizado valeu a pena. Muitos dos meninos desta geração que está em Doha, no Catar, defendendo as cores do Fluminense na Al Kass Cup jamais tiveram a oportunidade de conhecer escolas de futebol de outros países. Estão tendo agora e já aprenderam uma dura lição: os europeus podem não ser tão habilidosos, nem ter tanto volume de jogo, mas costumam ser extremamente eficientes.

Foi basicamente desta maneira que o time de Xerém perdeu a partida contra o Auxerre, da França, nesta segunda-feira. Mesmo ditando o ritmo do jogo, os tricolores não souberam converter sua superioridade técnica em gols e acabaram sendo derrotados nas poucas oportunidades dos franceses.

Lição aprendida. Chegou o momento de mostrar ao mundo mais uma vez a força da base tricolor. Nesta quinta-feira, 16, os jovens guerreiros voltam a campo para enfrentar o Milan, valendo a classificação para a próxima fase do torneio.

Em sua primeira viagem internacional, o atacante Ruan, de 15 anos, quase saiu como herói do jogo contra o Auxerre. Foi dele o golaço de falta que levou o Fluminense a igualar o placar da partida aos 33 minutos do segundo tempo. A estreia de Ruan só não foi melhor porque, seis minutos depois, os franceses conseguiram voltar a ficar na frente com um gol de cabeça. De acordo com ele, esta primeira experiência serviu de alerta aos atletas tricolores.

- Achei o estilo de jogo deles bastante diferente. São muito aplicados e não param de correr sem a bola e, quando têm a posse dela, procuram fazer tabelas rápidas e com muita movimentação. Deu para aprender bastante neste jogo. Nós criamos muitas chances, mas não soubemos aproveitar. Eles mataram o jogo nas poucas oportunidades que tiveram. Vamos nos concentrar para que isso não se repita no próximo jogo. O Milan tem um grande nome, mas vamos focar para conseguir um bom resultado – disse o jovem camisa 7 tricolor.

Ruan não marcou o gol de falta por acaso. Nos treinamentos, em Xerém, o atacante pratica muitas cobranças para aprimorar sua técnica. A batida no canto esquerdo do goleiro francês foi muito bem calculada.

- Percebi que o goleiro arrumou a barreira e ficou no meio do gol. Então, eu sabia que se tentasse cobrar por cima da barreira, facilitaria a defesa dele. Por isso, bati no canto, com a bola passando pelo lado da barreira e fui feliz – comentou o jogador.

De fato, o goleiro nem teve tempo de se mexer.

Conhecer a cultura árabe do Catar tem impressionado o atacante do Flu. As vestimentas, a arquitetura peculiar, a língua completamente diferente: a experiência de descobrir um mundo novo está marcando a vida do jogador.

- Estou gostando muito do Catar. É muito legal poder conhecer coisas novas e lugares diferentes. É uma experiência boa para mim e para todos os meus companheiros.

Texto: Tiago Costa – Comunicação institucional – FFC
Foto: Tiago Costa / Divulgação – FFC