Laranjeiras ganha tapete, mas pai de novo gramado quer mais: 'Está 70%'

Pedro Antônio Ribeiro da Silva é detalhista. E, como tal, não gosta de deixar passar nada. No dia de estreia do reformado gramado das Laranjeiras, caminhava de um lado a outro do campo antes do treino a ser comandado por Renato Gaúcho. Verificava se tudo estava ‘ok’. Deu certo: o trabalho deu fim às reclamações de jogadores, mas... ainda não está concluído. O próprio responsável pela mudança de cara diz que agora, sim, pode ser chamado de tapete quer mais. Estima que em mais 35 dias chegará à perfeição – atualmente considera as condições em 70%. 

Visivelmente, porém, a melhora é de encher os olhos. Tanto que foi aprovada pelo zagueiro Leandro Euzébio, um dos mais antigos do atual grupo e que, portanto, sentiu na pele os prejuízos de treinar em um campo ruim: 

- O pessoal está de parabéns. Agora, nenhum jogador pode reclamar do gramado. Há condição de treinos. E eles vão render mais. 

Pois o trabalho de Pedro Antônio, sócio do clube e voluntário no serviço, começou há três semanas. Primeiro, o terreno foi furado – o que não acontecia há um ano – para deixá-lo mais macio. Isso, agora, será repetido a cada três semanas. As áreas mais desgastadas, como a das pequenas áreas, tiveram toda a grama trocada. E novos cortes obedecerão a um rigoroso controle para impedir que as folhas cresçam de forma desordenada. 

- O campo estava duro, tinha falhas. Conseguimos aproveitar o período de férias para avançar, mais ainda é possível melhorar. Visivelmente parece perfeito, mas estimo que esteja em 70% pronto – explica o pai da reforma. 


Pedro Antônio tem duas preocupações: a irrigação e o uso excessivo do campo. O processo de molhagem tinha defeito, o que concentrava água demais em algumas áreas. E haverá conversas com o departamento de futebol para minimizar os problemas do uso em excesso: 

- Havia problema crônico de excesso de água. Estamos ajustando a irrigação para maior equilíbrio. Planta não precisa de água, mas umidade. Não temos áreas alternativas, mas vamos conversar com o futebol para variar os locais de treino. Determinadas comissões técnicas gostam de concentram os trabalhos em áreas do campo. Pode haver variações para evitar o desgaste. 

Este tipo de problema terá fim com a construção do CT. Por ora, embora o terreno já tenha sido cedido pela prefeitura, as obras ainda não começaram. E não há prazo para conclusão.

Fonte: Globo Esporte