Jogadores Bruno e Elivelton visitam crianças no orfanato Romão Duarte


Nada vale mais do que o sorriso de uma criança. E, honrando seu papel de clube social, o Fluminense fez a Páscoa de meninos e meninas do Educandário Romão Duarte, próximo à Rua Paissandu, mais feliz. O lateral-direito Bruno e o zagueiro Elivelton visitaram, nesta quarta-feira, 16, os pequenos, que foram presentados com ovos de chocolate e pequenas bolas de futebol, ambos com o símbolo do clube. Walcyr Borges, diretor social, representou o Tricolor de Coração.

Natural de Torres, no Rio Grande do Sul, Bruno revelou que não foi a primeira vez que sentiu de perto a alegria de crianças carentes ao receber presentes. Na terra em que nasceu, ele faz ações do mesmo tipo.

– É muito bacana ver a reação das crianças. Quando estou de férias, em Torres, sempre faço estas ações, ao lado da minha noiva. Compro 400 brinquedos e distribuo para meninos e meninas carentes. Quando me convidaram para esta ação, não tive dúvidas em aceitar – conta Bruno, acrescentando que as pessoas podiam ajudar mais os necessitados:

– Se todos fizessem um pouco, o mundo estaria melhor. Muitos jogadores no clube ajudam a quem precisa. Inclusive o Diguinho, que não pôde vir porque o pneu do carro dele furou.

Eufóricas com os presentes, as crianças pegaram as bolas de futebol que acompanham os ovos de chocolate e começaram a jogar no corredor do educandário. A felicidade em poder se divertir ao lado de jogadores de futebol estava estampada em cada rosto infantil.

– Imagina a algazarra desta criançada com este monte de bolas para chutar. Esta bagunça vai durar o dia inteiro – afirmou, pensativo, Elivelton.

O Romão Duarte é a primeira instituição de crianças abandonadas e funciona desde 1738. Antigamente recebia crianças rejeitadas por terem sido geradas em relacionamentos extraconjugais. Desde 1993 na instituição, quando ainda era estagiária, a diretora Luciana Calaça não disfarçava a emoção de ver os olhinhos das crianças brilhando.

– Sempre gostei de trabalhar nesta área. A importância desta ação é enorme, independentemente para qual time as crianças torçam. Elas aprendem a dividir e respeitar o próximo. O esporte tem a imagem de trazer união – declara Luciana, comentando a reação da garotada:

– A alegria é imediata, principalmente para os meninos, que conseguem materializar a figura do ídolo.

Os irmãos Luciano e João Pedro Avelino, de 8 e 6 anos, respectivamente, não esconderam a felicidade por receber o ovo de chocolate e a bola, que, devidamente arrancada da embalagem, logo começou a ganhar seus primeiros chutes.

– Eu joguei futebol e marquei três gols. Gosto de jogar de atacante – disse o pequeno Luciano.

Comunicação Institucional FFC
Fotos: Nelson Perez/Divulgação FFC
Fonte: Site Oficial do Fluminense FC