''Ninguém merece marginal nos ameaçando no trabalho'', diz Wagner

No início de abril, o atacante, Fred, do Fluminense, veio a público para dizer que estava indignado com o que classificou como atos de agressão e vandalismo por parte de membros ligados a algumas torcidas uniformizadas do Fluminense. O meia Wagner manifestou apoio ao centroavante tricolor em entrevista ao“Arena SporTV”.

- Tivemos muitos ataques extracampo quando a gente ia treinar principalmente no ano passado. Eles ficavam xingando a gente, ofendiam bastante. Acho que no futebol a atitude do Fred foi muito legal. Até me pus à disposição, se ele quisesse que fosse junto, eu iria. Mas ele preferiu ir sozinho. Ele é um cara que sabe lidar com esse tipo de situação, tanto é que repercutiu bem. E vai ser pelo lado positivo, porque marginal para ameaçar a gente no nosso trabalho, ninguém merece. Hoje aqui não tem ninguém gritando, xingando no trabalho de vocês, imagina como seria sendo ofendido, seus filhos na escola, você não pode buscar seu filho, não pode sair para ir ao restaurante, ao shopping com a esposa na hora de folga. Então, acho que é válido. Ele teria muito a perder. Mas o ganho dele vai vir na frente – afirmou o jogador.

O desabafo de Fred aconteceu após torcedores do Fluminense protestarem depois da derrota do time para o Horizonte-CE, na primeira fase da Copa do Brasil. Wagner pede para que esse tipo de coisa tenha um fim, que ele acredita estar próximo.

- A torcida organizada acho que vai acabar. Muitos torcedores quando a gente encontra parabenizam o Fred porque a atitude foi muito boa, foi válida. E na hora em que a gente tiver com a família, dentro do estádio, torcendo, no momento bom, aí sim a gente vê a gratidão. A gente gosta quando vamos ao estádio e vemos crianças, esposas, adolescentes torcendo, esse verdadeiros torcedores, porque é para eles que a gente faz o show, é para eles que a gente trabalha duro, no dia a dia, sol a sol, então acho que é uma briga que foi válida para o futebol brasileiro isso vai ser muito importante para o Fluminense e para o futebol, porque deu uma reviravolta para que possa ter mais paz no futebol. A gente sabe o quanto é importante para a nossa cidade, para o nosso país – finalizou.

Fonte: SporTV
Foto: Hector Werlang