Atualmente estamos operando somente nas nossas redes sociais oficias

Revelado nas divisões de base do Fluminense, Rafinha reforça desejo de fazer história no clube

Colher os frutos. Essa é a filosofia de trabalho no Fluminense que, por tradição, investe em suas categorias de base e revela jogadores com frequência ao longo dos anos. Pelas dependências de Xerém já passaram diversos jogadores que figuram no cenário do futebol, além, claro, de atletas que constroem carreira no clube e chegam à equipe principal. No elenco atual, Rafinha, que está há 13 anos nas Laranjeiras, sabe como funciona cada detalhe deste processo. Em entrevista exclusiva ao Esporte Interativo, o volante contou um pouco da sua trajetória no Tricolor e comentou sobre projeções futuras.

O início

O jogador chegou ao clube com 8 anos de idade para jogar futsal. À época, participou de peneiras e passou pelos testes exigidos. Contudo, se destacou e foi aprovado. Pouco tempo depois foi integrado também ao futebol de campo. Com certo orgulho, o jovem lembra com carinho do período, reforçando sua gratidão pela instiuição.

"Aqui é a minha casa. Desde os oitos anos aqui no Fluminense, fui para o (futebol de) salão, depois fui para o campo. Então, fico muito feliz de ter realizado um sonho de ter chegado aos profissionais do Fluminense e espero dar muitas alegrias aos torcedores", disse.

Momentos marcantes na base

Com um celeiro vitorioso, o Fluminense costuma conquistas títulos em suas divisões de base. Rafinha, por sua vez, participou de grandes jogos durante seu crescimento no clube. Entretanto, curiosamente, o volante guarda um momento de tristeza como forma de maturidade e fortalecimento: a derrota para o Corinthians na final da Copa São Paulo de 2012

"Um jogo que me marcou muito foi no juniores. Foi a final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2012, contra o Corinthians. Nós demos a vida naquele jogo, mas infelizmente não conseguimos sair campeões. Mas isso acontece, é um aprendizado que fica... Foi uma vitrina muito importante para mim, até para que eu chegasse aqui nos profissionais do Fluminense", contou

Integração ao elenco principal 

Humilde, o camisa 15 contou como foi a transição dos juniores para os profissionais, atuando ao lado de jogadores renomados e consagrados no cenário do futebol. Além disso, afirmou que recebe ajuda e conselhos dos mais experientes.

"Só ídolo, né?! (risos) É muito emocionante, muito feliz... Uns caras que a gente via na televisão e depois começa a treinar com eles. É um sonho realizado e espero ajudar eles dentro de campo, porque o grupo é a minha segunda família", explicou.

Inspiração

Como todo jogador, Rafinha tem em quem se espelhar dentro de campo. O jogador citou nomes que o inspiram e especificou suas características dentro das quatro linhas, analisando a capacidade de atuar em diversas funções, já que hoje em dia o futebol exige tal polivalência. 

"Um jogador que me inspiro muito é o Ramires... O Arouca, do Santos. Tem o Jean também, daqui do Fluminense. Eles têm as mesmas características que eu tenho: de marcar, chegar na frente e fazer gol. Na minha estreia com o Vanderlei, eu atuei como um ponta falso abeto na direita... E estou preparado para jogar onde o professor me escalar", afirmou.

Projeções para o futuro

Sonho da maioria dos jogadores do futebol brasileiro, jogar na Europa também está nos planos de Rafinha. Antes, porém, o tricolor pretende fazer história nas Laranjeiras. No final de 2013, inclusive, o volante renovou seu contrato com o clube até 2016.

"Pretendo fazer primeiro história aqui no Fluminense, depois chegar à seleção ou até mesmo jogar na Europa. Mas primeiro eu penso em escrever meu nome aqui no clube", resumiu.

Aprendizado

Apesar da curta trajetória entre os profissionais, Rafinha já trabalhou com cinco treinadores diferentes no comando do Fluminense. São eles: Abel Braga, Vanderlei Luxemburgo, Dorival Júnior, Renato Gaúcho e, agora, Cristóvão Borges. Sem citar uma preferência, o volante garante que aprendeu um pouco com todos, mas revela uma gratidão especial a Luxa, que foi quem deu sequência ao seu trabalho.

"Eu aprendi bastante com todos os treinadores que passaram aqui. Cada um deles tem um modo diferente de trabalho, então a gente vai aprendendo um pouquinho com cada. Eu aprendi com o Luxemburgo, com o Abel, com Renato, com o Dorival Júnior e agora tô aprendendo com o Cristóvão Borges. Esse é o só o começo de uma caminhada que eu ainda tenho muita coisa para aprender", afirmou e acrescentou: "Quero agradecer ao Luxemburgo, tenho vontade em trabalhar novamente com ele. Foi um cara que me deu oportunidade, confiou em mim...", declarou.

Expectativa para o Fla-Flu

Às vésperas do Fla-Flu deste domingo, Rafinha não esconde a vontade de vencer o rival. Acostumado a disputar o clássico pelas categorias de base, o volante também não é mais estreante no duelo entre os profissionais. Em 2013, ainda sob o comando do técnico Vanderlei Luxemburgo, o atleta foi a campo na derrota tricolor pelo placar mínimo. O objetivo, agora, é 'dar o troco' e ajudar o Fluminense a conquistar os três pontos.

"Eu entrei em um Fla-Flu nos profissionais ano passado. Não foi o dos melhores, né?! Nós perdemos, foi até com o Luxemburgo.. Mas espero dar a volta por cima nesse domingo e ganhar deles", finalizou.

Fonte: Yahoo!
Foto: Nelson Perez
Texto: Fernando Morani e Paula Carvalho

About Me

Tecnologia do Blogger.

Blog Archive

Comments

Destaques

Facebook

Destaques

Find Us On Facebook

Random Posts

Advertise

Futebol

Nosso Instagram

Social Share

Random Posts

Destaques

Sponsor

Recent comments

Destaques
Destaques

Labels

Labels

Advertise

Destaques

Recent Comments

Destaques

Popular Posts

Recent Comments

Pages

Pages

Popular Posts

Most Popular

Curta nossa Fan page

Destaques