Atualmente estamos operando somente nas nossas redes sociais oficias

Cristóvão Borges vê fase "muito ruim" no Flu e anuncia: "Vou mexer no time"

Perder por 2 a 1 para o Inter referendou a fase irregular do Fluminense no Brasileirão: são apenas duas vitórias nos últimos 11 jogos (ganhou duas, empatou sete e acabou derrotado em outras duas), distância de cinco pontos para o G-4 e a oitava posição na tabela, a pior desde o começo do campeonato. E, para mudar o panorama, definido como “muito ruim”, Cristóvão Borges vai mudar o time. Ainda em Porto Alegre, palco da partida válida pela 28ª rodada (reveja os melhores momentos no vídeo acima), o treinador tricolor anunciou em entrevista coletiva a necessidade de alterar escalação e postura visando a partida contra Criciúma, sábado, no Maracanã. Tudo para manter as chances de classificação à Libertadores.
- Teremos de fazer mudanças. Vou fazer. São necessárias. Tem muitos jogos. Prece pouco, mas falta muita coisa no campeonato. Claro que temos de melhorar. Com o aproveitamento desse nível, fica impossível. É muito ruim. Tem de mudar algumas coisas, a nossa postura também. E mexer no time – avaliou o técnico, sem especificar quais jogadores ou posições terão mudanças.

Faltam dez rodadas para o término do Brasileiro. O Flu vem em queda livre – não figura no G-4 desde a 15ª rodada. Porém, Cristóvão, que justificou a derrota por uma desatenção na marcação, ainda acredita em levar o time para o torneio sul-americano:

- O time tem condição de reagir. Momento é duro. É o que temos de fazer. Começar a ganhar.

O Tricolor volta ao Rio na noite deste domingo. A segunda-feira é de folga. A reapresentação, terça à tarde. Não há jogadores suspensos para a próxima rodada. Carlinhos, em recuperação de lesão na coxa esquerda, deve ficar à disposição. O compromisso da vez dos cariocas é contra o Criciúma, no próximo sábado, no Maracanã, às 18h30 (de Brasília).

Confira a íntegra da entrevista:

Avaliação do jogo? Linha de impedimento determinou derrota?

A nossa equipe joga de forma compacta e com a defesa alta. Isso acontece em todos os jogos. Contra o Atlético-MG, fizemos e eles ficaram impedidos sete vezes. É arriscado, mas a nossa forma de atuar. Aqui, para não ficar pressionado, pois se fosse de outra forma a gente seria, foi a tática adotada. Jogamos avançado, a linha de defesa. Não tivemos problemas. A nossa dificuldade... os jogadores deles do lado do campo fecharam ao meio e isso nos dificultou a marcação. No segundo tempo, ganharam o meio de campo e fizeram o gol. Com o Edson era para melhorar a marcação. Equilibramos e empatamos. Depois disso, desatenção e levamos o gol.

São 11 jogos e apenas duas vitórias...

Teremos de fazer mudanças. Vou fazer. São necessárias. Tem muitos jogos. Prece pouco, mas falta muita coisa no campeonato. Claro que temos de melhorar. Com o aproveitamento desse nível, fica impossível. É muito ruim. Tem de mudar algumas coisas, a nossa postura também. E mexer no time.

Há ansiedade?

É natural. A necessidade de ganhar é muito grande. Temos consciência: precisamos de vitória. Com duas vitórias consecutivas, tudo muda. Estamos ansiosos. Empenho e entrega não faltam. Hoje foi uma desconcentração.

Falta espírito de guerreiros?

O espírito é bom. Existe entrega, vontade e dedicação muito grande. O jogo hoje era contra grande time, nos dificultou. Jogo foi equilibrado, houve alternância de domínio. Mesmo nas partidas que empatamos, poderíamos ter ganho. É isso que tem de corrigir. Contra 

o Bahia, tivemos grandes chances e não marcamos. Conta o Palmeiras, com poucas chances, vencemos por 3 a 0. Tem de fazer gol.

Flu precisa de milagre para entrar no G-4?

Não. Falta muita coisa. O time tem condição de reagir. Momento é duro. É o que temos de fazer. Começar a ganhar.

Conca e Cícero estão abaixo da média?

Não é só o Cícero e o Conca, não. A equipe tem alternado momentos. Nosso forte é o conjunto. Quando alterna, para o bem e para o mal, as individualidades mudam. É assim. Acontece de a equipe não superar e, aí, eles jogam abaixo do nível.

Este é o time ideal?

Diguinho estava um tempo parado. Trabalhou muito bem. É experiente. Por isso, começou o jogo. Mas sentiu. Foi desgastante. Foi importante para ganhar ritmo. Terei uma semana para definir o time.

Fonte: Globo Esporte

About Me

Tecnologia do Blogger.

Blog Archive

Comments

Destaques

Facebook

Destaques

Find Us On Facebook

Random Posts

Advertise

Futebol

Nosso Instagram

Social Share

Random Posts

Destaques

Sponsor

Recent comments

Destaques
Destaques

Labels

Labels

Advertise

Destaques

Recent Comments

Destaques

Popular Posts

Recent Comments

Pages

Pages

Popular Posts

Most Popular

Curta nossa Fan page

Destaques