Após semana recheada de treinos, Flu tenta pôr fim aos vacilos defensivos

Foto: Nelson Perez/ Fluminense FC
Vira e mexe, o assunto "sistema defensivo" é motivo de análise e discussão no Fluminense. Diante dos altos e baixos da equipe no Brasileiro, a zaga, que tem média de 1,3 gol sofrido por partida, ficou na berlinda em alguns momentos, como na derrota por 3 a 2 para a Chapecoense, na última rodada, no Maracanã. O técnico Eduardo Baptista quer colocar um fim nesta situação.

No tempo sem jogos, o treinador tricolor aproveitou boa parte do tempo para ajustar o posicionamento defensivo da equipe. Pierre disse que o time está tentando se ajustar para melhorar os números, mas que o sistema defensivo precisa ser compreendido pelo aspecto coletivo, desde o centroavante ao goleiro.

- O sistema defensivo é um conjunto, não são apenas os zagueiros e volantes. É preciso da ajuda de quem está no setor ofensivo também. Não podemos apontar a zaga como determinante nas derrotas. Claro que estamos nos ajustando, adequando. O Eduardo exigiu bastante nessa semana em algumas situações de jogo. Esperamos aplicar isso contra o Grêmio, com a ajuda de todos. Se não levarmos gol, o bom resultado fica mais próximo.

A vitória no clássico com o Vasco por 1 a 0, no Engenhão, foi a última com elogios para a defesa. Na ocasião, Pierre teve uma participação importante e auxiliou o time a sair de campo sem levar gol.

Em 13º lugar no Campeonato Brasileiro com 43 pontos, o Flu volta a campo na próxima quinta-feira, em Porto Alegre. Restam apenas quatro rodadas para o fim da competição.

Fonte: Ge
Texto: Fred Huber