Atualmente estamos operando somente nas nossas redes sociais oficias

Waldir Pereira



"O Príncipe Etíope de Rancho" era seu apelido, dado por Nelson Rodrigues (ilustre dramaturgo e torcedor fanático do Fluminense). Com classe e categoria, foi um dos maiores médios volantes de todos os tempos, um dos líderes do Fluminense entre o final da década de 1940 e meados da década de 1950 e também do Botafogo, após isso, além de ter criado a "folha seca".

Esta técnica consistia em bater na bola, com o lado externo do pé, de modo a fazê-la girar sobre si mesma e modificar sua trajetória. Ela tem esse nome pois esse estilo de cobrar falta que dava à bola um efeito inesperado, semelhante ao de uma folha caindo.

O lance ficou famoso quando Didi marcou um gol de falta nesse estilo contra a Seleção do Peru, nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 1958.

Além da particularidade da folha seca, Didi também é conhecido como a primeira pessoa a chamar o jogo dejogo bonito.

Quando chegou ao Flu, em 1949, Didi rapidamente ganhou destaque e assumiu a titularidade do esquadrão tricolor que brilharia na década de 50 com Castilho, Pinheiro, Telê Santana, Carlyle e o técnico Zezé Moreira. Suas atuações cheias de categoria, habilidade e muita qualidade encantaram a todos no clube e na imprensa. Em 1950, teve a honra de marcar o primeiro gol da história do Maracanã, jogando pela seleção carioca. O craque foi um dos principais jogadores do Fluminense nas conquistas do Campeonato Carioca de 1951 e da emblemática Copa Rio de 1952 (tida quase como um Mundial na época e organizada pela CBD e pelo Fluminense, em homenagem aos 50 anos do tricolor carioca).

O torneio teve a participação de equipes como Áustria Viena (AUS), Peñarol (URU), Sporting (POR), Grasshopper (SUI), Libertad (PAR) e Corinthians (BRA). O Flu fez uma campanha impecável com vitórias sobre Grasshopper (1 a 0), Peñarol (3 a 0), Áustria Viena (1 a 0 e 5 a 2) e Corinthians, na final, por 2 a 0. Mas aqueles seriam os únicos títulos de Didi no clube das Laranjeiras, que teve que assistir aos canecos de Vasco e Flamengo de 1952 a 1956. Mesmo sem títulos, o jogador seguiu como ídolo e teve uma grande sequência de jogos. Pelo Flu, foram 298 jogos e 91 gols. Suas atuações, claro, o levaram para a seleção brasileira.

Também fez, em 16 de junho de 1950, o primeiro gol da história do Maracanã pela Seleção Carioca juvenil, defendendo o seu clube do coração, num jogo contra a Seleção Paulista.

Liderou a Seleção Brasileira na conquista do Campeonato Pan-Americano de Futebol, disputado no Chile, na primeira conquista relevante da Seleção Brasileira no exterior, tendo jogado ao lado de Castilho, Waldo, Telê Santana, Orlando Pingo de Ouro, Altair e Pinheiro, entre outros.

Foi campeão mundial, já atuando pelo Botafogo, clube pelo qual também acabou se apaixonando. No alvinegro, era o maestro de um grande elenco. Jogou ao lado de Garrincha, Nílton Santos, Zagallo,Quarentinha, Gérson, Manga e Amarildo.

O Botafogo foi o clube pelo qual Didi mais disputou partidas: fez 313 jogos e marcando 114 gols. Foi campeão carioca pelo clube em 1957, 1961 e 1962 e também venceu o Torneio Rio-São Paulo de 1962, mesmo ano em que venceu o Pentagonal do México e, no ano de 1963, o Torneio de Paris.

Chegou a jogar no famoso time do Real Madrid, ao lado do craque argentino Alfredo Di Stéfano e do húngaroFerenc Puskás, mas teria sofrido um boicote na equipe, segundo se comenta, que teria partido de Di Stéfano.

Em 1964 foi transferido ao São Paulo, porém a equipe paulista não tinha grandes jogadores e estava empenhada em terminar a construção do seu principal patrimônio, o Estádio do Morumbi. Sendo assim, Didi começou a pensar na aposentadoria.

Na Copa do Mundo de 1970 seria o técnico da Seleção Peruana (classificando o país para a sua primeira Copa do Mundo desde a de 1930) na derrota para a Seleção Brasileira por 4 a 2.

Didi também foi um dos técnicos do Fluminense, na fase que o time tricolor era conhecido como A Máquina Tricolor (1975/1976), pela qualidade excepcional de seus jogadores.

No começo de 1981, Didi chegou a ser o técnico do Botafogo, mas foi substituído do cargo durante o ano.

Ficha Técnica

★ 08/10/1928 ✝ 12/05/2001
Local de Nascimento: Campos, RJ
Posição: Meia
Período: 1949-1956
Jogos: 297
Gols: 95
Principais Títulos: Copa Rio (Mundial) 1952 / Campeonato Carioca 1951

Seleção Brasileira
Jogos: 74
Gols: 21
Títulos: Copa do Mundo 1958, 1962 / Campeonato Pan-Americano 1952 / Taça do Atlântico 1956 / Taça Oswaldo Cruz 1955, 1958, 1961, 1962 / Taça Bernardo O’Higgins 1955, 1961
Copa do Mundo: 1954, 1958, 1962.

About Me

Tecnologia do Blogger.

Blog Archive

Comments

Destaques

Facebook

Destaques

Find Us On Facebook

Random Posts

Advertise

Futebol

Nosso Instagram

Social Share

Random Posts

Destaques

Sponsor

Recent comments

Destaques
Destaques

Labels

Labels

Advertise

Destaques

Recent Comments

Destaques

Popular Posts

Recent Comments

Pages

Pages

Popular Posts

Most Popular

Curta nossa Fan page

Destaques